Transparência    Ouvidoria    Acesso à Informação    Diário Oficial    Portal do Governo de Brasília  
   
BALANÇO DAS PRIORIDADES DO GOVERNO DE BRASÍLIA
 
 
 
 
 
 
INICIAL    DESTAQUES    TEMÁTICAS    PRIORIDADES    INICIATIVAS    POR ÓRGÃO   MAPA ESTRATÉGICO
Programa: Políticas para Segmentos Sociais
 
Prioridade: Efetivação dos programas de proteção a testemunhas e a vítimas de violência doméstica.
INICIATIVA STATUS ARQUIVOS
CONTATO
Lançado, em 20/11/2017, o aplicativo para celular denominado Viva Flor. Por meio da plataforma, a mulher, em medida protetiva de urgência que estiver ameaçada pelo agressor, poderá acionar uma equipe da PMDF que se deslocará para o local. Está prevista a disponibilização do aplicativo a até 100 mulheres sob medida protetiva, indicadas pelo Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios em 2018. Mais informações (link aqui). Concluído Lançado, em 20/11/2017, o aplicativo para celular denominado Viva Flor. Por meio da plataforma, a mulher, em medida protetiva de urgência que estiver ameaçada pelo agressor, poderá acionar uma equipe da PMDF que se deslocará para o local. Está prevista a disponibilização do aplicativo a até 100 mulheres sob medida protetiva, indicadas pelo Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios em 2018. Mais informações (link <a href="https://www.agenciabrasilia.df.gov.br/2017/11/20/governo-lanca-aplicativo-viva-flor-voltado-a-mulheres-em-situacao-de-violencia/">aqui</a>). Lançado, em 20/11/2017, o aplicativo para celular denominado Viva Flor. Por meio da plataforma, a mulher, em medida protetiva de urgência que estiver ameaçada pelo agressor, poderá acionar uma equipe da PMDF que se deslocará para o local. Está prevista a disponibilização do aplicativo a até 100 mulheres sob medida protetiva, indicadas pelo Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios em 2018. Mais informações (link <a href="https://www.agenciabrasilia.df.gov.br/2017/11/20/governo-lanca-aplicativo-viva-flor-voltado-a-mulheres-em-situacao-de-violencia/">aqui</a>). Lançado, em 20/11/2017, o aplicativo para celular denominado Viva Flor. Por meio da plataforma, a mulher, em medida protetiva de urgência que estiver ameaçada pelo agressor, poderá acionar uma equipe da PMDF que se deslocará para o local. Está prevista a disponibilização do aplicativo a até 100 mulheres sob medida protetiva, indicadas pelo Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios em 2018. Mais informações (link <a href="https://www.agenciabrasilia.df.gov.br/2017/11/20/governo-lanca-aplicativo-viva-flor-voltado-a-mulheres-em-situacao-de-violencia/">aqui</a>). Lançado, em 20/11/2017, o aplicativo para celular denominado Viva Flor. Por meio da plataforma, a mulher, em medida protetiva de urgência que estiver ameaçada pelo agressor, poderá acionar uma equipe da PMDF que se deslocará para o local. Está prevista a disponibilização do aplicativo a até 100 mulheres sob medida protetiva, indicadas pelo Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios em 2018. Mais informações (link <a href="https://www.agenciabrasilia.df.gov.br/2017/11/20/governo-lanca-aplicativo-viva-flor-voltado-a-mulheres-em-situacao-de-violencia/">aqui</a>). SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANCA PUBLICA E DA PAZ SOCIAL

GILVAN SOARES MASCARENHAS

ouvidoria@ssp.df.gov.br
Criado o Serviço de Proteção à Pessoa, da Coordenação de Repressão a Homicídios, sob a responsabilidade da Coordenação de Homicídios, localizada no complexo da PCDF. O serviço objetiva pesquisar, monitorar e analisar os casos registrados e aqueles de notório conhecimento envolvendo desaparecimento de pessoas residentes e/ou domiciliadas ou que foram vistas pela última vez no Distrito Federal, adotando-se, urgentemente, as providências investigativas necessárias, para averiguar se se trata de casos de crimes dolosos contra a vida, em especial, homicídio. Concluído POLICIA CIVIL DO DISTRITO FEDERAL

Lúcia Antônia M. Bandeira

ouvidoria@pcdf.df.gov.br
Mantida a Seção de Segurança de Dignitários e Proteção a Pessoas, unidade que integra a estrutura da Divisão de Operações Especiais - DOE e visa atender a solicitações de segurança de testemunhas em colaboração com a Justiça/Poder Judiciário, de autoridades dos três Poderes, de pessoas em situação de risco de morte, vítimas, entre outros. O número de ordens de serviço cumpridas no triênio 2015-2017 foi de 120. Concluído POLICIA CIVIL DO DISTRITO FEDERAL

Lúcia Antônia M. Bandeira

ouvidoria@pcdf.df.gov.br
Implantado, pela Delegacia Especial de Atendimento à Mulher - DEAM, em agosto/2017, o Projeto Lidera, que objetiva ampliar o conhecimento da população do Distrito Federal sobre as questões de gênero e sobre as diferentes formas de prevenir a violência, por meio da capacitação de lideranças comunitárias com vistas à expansão da rede de enfrentamento, além de amparar mulheres vítimas de violência doméstica. Até janeiro de 2018, foram capacitadas 223 pessoas. Concluído POLICIA CIVIL DO DISTRITO FEDERAL

Lúcia Antônia M. Bandeira

ouvidoria@pcdf.df.gov.br
Implementada, em 02/06/2015, a Casa da Mulher Brasileira - CMB, em parceria com Governo Federal. A unidade está localizada no Setor de Grandes Áreas Norte, Quadra 601, Lote J, Plano Piloto.

A Casa oferece serviços especializados para os mais diversos tipos de violência contra as mulheres: acolhimento e triagem; apoio psicossocial; delegacia; juizado; Ministério Público, Defensoria Pública; promoção de autonomia econômica; cuidado das crianças - brinquedoteca; alojamento de passagem e central de transportes.

Desde abril/2018 a CMB encontra-se fechada para reforma da edificação, após interdição da Defesa Civil. Os serviços prestados foram temporariamente redistribuídos em razão desta interdição, sendo que, os órgãos que integram a CMB, como Delegacia de Atendimento à Mulher - DEAM; Juizado Especializado de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher - TJDF; Promotoria Pública Especializada da Mulher - MPDFT e Defensoria Pública Especializada da Mulher, estão com seus serviços especializados sendo realizados nas respectivas unidades de atendimento do DF. Os atendimentos de acolhimento, apoio psicossocial e acompanhamento das mulheres da CMB estão sendo redirecionados para os Centros Especializados de Atendimento à Mulher - CEAMs (link aqui).
Concluído Implementada, em 02/06/2015, a Casa da Mulher Brasileira - CMB, em parceria com Governo Federal. A unidade está localizada no Setor de Grandes Áreas Norte, Quadra 601, Lote J, Plano Piloto.
</p> 
A Casa oferece serviços especializados para os mais diversos tipos de violência contra as mulheres: acolhimento e triagem; apoio psicossocial; delegacia; juizado; Ministério Público, Defensoria Pública; promoção de autonomia econômica; cuidado das crianças - brinquedoteca; alojamento de passagem e central de transportes.
</p>
Desde abril/2018 a CMB encontra-se fechada para reforma da edificação, após interdição da Defesa Civil. Os serviços prestados foram temporariamente redistribuídos em razão desta interdição, sendo que, os órgãos que integram a CMB, como Delegacia de Atendimento à Mulher - DEAM; Juizado Especializado de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher - TJDF; Promotoria Pública Especializada da Mulher - MPDFT e Defensoria Pública Especializada da Mulher, estão com seus serviços especializados sendo realizados nas respectivas unidades de atendimento do DF. Os atendimentos de acolhimento, apoio psicossocial e acompanhamento das mulheres da CMB estão sendo redirecionados para os Centros Especializados de Atendimento à Mulher - CEAMs (<a href="http://www.mulher.df.gov.br/centro-especializado-de-atendimento-a-mulher-ceam/">link aqui</a>). SECRETARIA DE ESTADO DE TRABALHO, DESENVOLVIMENTO SOCIAL, MULHERES, IGUALDADE RACIAL E DIREITOS HUMANOS

FLÁVIA RODRIGUES GUIMARÃES

ouvidoria@sedestmidh.df.gov.br
Mantidos os Núcleos de Atendimento à Família e ao Autor de Violência Doméstica - NAFAVD que prestam atendimento e acompanhamento psicossocial a homens e mulheres envolvidos em casos de violência doméstica e familiar tipificados pela Lei Maria da Penha.

O atendimento tem por objetivo promover a equidade de gênero e a cultura de paz, por meio do empoderamento de mulheres e da responsabilização de autores por violências praticadas, em um contexto reflexivo, que favoreça a construção de alternativas não violentas para a resolução de conflitos. Os casos atendidos pelo serviço são, em sua maioria, judicializados. Atendimentos realizados:
  • 2015: 8.042 atendimentos
  • 2016: 5.897 atendimentos
  • 2017: 7.154 atendimentos
  • 2018: 5.513 atendimentos (até outubro)
Mais informações (link aqui)
Em andamento Mantidos os Núcleos de Atendimento à Família e ao Autor de Violência Doméstica - NAFAVD que prestam atendimento e acompanhamento psicossocial a homens e mulheres envolvidos em casos de violência doméstica e familiar tipificados pela Lei Maria da Penha.
</p> 
O atendimento tem por objetivo promover a equidade de gênero e a cultura de paz, por meio do empoderamento de mulheres e da responsabilização de autores por violências praticadas, em um contexto reflexivo, que favoreça a construção de alternativas não violentas para a resolução de conflitos. Os casos atendidos pelo serviço são, em sua maioria, judicializados. Atendimentos realizados:
<ul>
    <li>2015: 8.042 atendimentos</li>
</ul><ul>
    <li>2016: 5.897 atendimentos </li>
</ul><ul>
    <li>2017: 7.154 atendimentos</li>
</ul><ul>
    <li>2018: 5.513 atendimentos (até outubro)</li>
</ul> 
Mais informações (<a href="http://www.mulher.df.gov.br/nucleos-de-atendimento-as-familias-e-aos-autores-de-violencia-domestica-nafavd/">link aqui</a>) Mantidos os Núcleos de Atendimento à Família e ao Autor de Violência Doméstica - NAFAVD que prestam atendimento e acompanhamento psicossocial a homens e mulheres envolvidos em casos de violência doméstica e familiar tipificados pela Lei Maria da Penha.
</p> 
O atendimento tem por objetivo promover a equidade de gênero e a cultura de paz, por meio do empoderamento de mulheres e da responsabilização de autores por violências praticadas, em um contexto reflexivo, que favoreça a construção de alternativas não violentas para a resolução de conflitos. Os casos atendidos pelo serviço são, em sua maioria, judicializados. Atendimentos realizados:
<ul>
    <li>2015: 8.042 atendimentos</li>
</ul><ul>
    <li>2016: 5.897 atendimentos </li>
</ul><ul>
    <li>2017: 7.154 atendimentos</li>
</ul><ul>
    <li>2018: 5.513 atendimentos (até outubro)</li>
</ul> 
Mais informações (<a href="http://www.mulher.df.gov.br/nucleos-de-atendimento-as-familias-e-aos-autores-de-violencia-domestica-nafavd/">link aqui</a>) Mantidos os Núcleos de Atendimento à Família e ao Autor de Violência Doméstica - NAFAVD que prestam atendimento e acompanhamento psicossocial a homens e mulheres envolvidos em casos de violência doméstica e familiar tipificados pela Lei Maria da Penha.
</p> 
O atendimento tem por objetivo promover a equidade de gênero e a cultura de paz, por meio do empoderamento de mulheres e da responsabilização de autores por violências praticadas, em um contexto reflexivo, que favoreça a construção de alternativas não violentas para a resolução de conflitos. Os casos atendidos pelo serviço são, em sua maioria, judicializados. Atendimentos realizados:
<ul>
    <li>2015: 8.042 atendimentos</li>
</ul><ul>
    <li>2016: 5.897 atendimentos </li>
</ul><ul>
    <li>2017: 7.154 atendimentos</li>
</ul><ul>
    <li>2018: 5.513 atendimentos (até outubro)</li>
</ul> 
Mais informações (<a href="http://www.mulher.df.gov.br/nucleos-de-atendimento-as-familias-e-aos-autores-de-violencia-domestica-nafavd/">link aqui</a>) SECRETARIA DE ESTADO DE TRABALHO, DESENVOLVIMENTO SOCIAL, MULHERES, IGUALDADE RACIAL E DIREITOS HUMANOS

FLÁVIA RODRIGUES GUIMARÃES

ouvidoria@sedestmidh.df.gov.br
Mantidos os Centros Especializados de Atendimento às Mulheres - CEAM, que oferecem atendimento psicológico, jurídico e social às mulheres que procuram o serviço de forma espontânea, independente do registro de ocorrência. O objetivo do trabalho é empoderar as mulheres, para que consigam sair do ciclo de violência em que se encontram, realizando diagnóstico e promovendo o acompanhamento e os encaminhamentos necessários. Atendimentos realizados:
  • 2015: 3.278 atendimentos
  • 2016: 2.690 atendimentos
  • 2017: 3.575 atendimentos
  • 2018: 2.684 atendimentos (até outubro)
Mais informações (link aqui)
Em andamento Mantidos os Centros Especializados de Atendimento às Mulheres - CEAM, que oferecem atendimento psicológico, jurídico e social às mulheres que procuram o serviço de forma espontânea, independente do registro de ocorrência. O objetivo do trabalho é empoderar as mulheres, para que consigam sair do ciclo de violência em que se encontram, realizando diagnóstico e promovendo o acompanhamento e os encaminhamentos necessários. Atendimentos realizados:
<ul>
    <li>2015: 3.278 atendimentos </li>
</ul><ul>
    <li>2016: 2.690 atendimentos </li>
</ul><ul>
    <li>2017: 3.575 atendimentos</li>
</ul><ul>
    <li>2018: 2.684 atendimentos (até outubro)</li>
</ul>
Mais informações (<a href="http://www.mulher.df.gov.br/ceams/">link aqui</a>) Mantidos os Centros Especializados de Atendimento às Mulheres - CEAM, que oferecem atendimento psicológico, jurídico e social às mulheres que procuram o serviço de forma espontânea, independente do registro de ocorrência. O objetivo do trabalho é empoderar as mulheres, para que consigam sair do ciclo de violência em que se encontram, realizando diagnóstico e promovendo o acompanhamento e os encaminhamentos necessários. Atendimentos realizados:
<ul>
    <li>2015: 3.278 atendimentos </li>
</ul><ul>
    <li>2016: 2.690 atendimentos </li>
</ul><ul>
    <li>2017: 3.575 atendimentos</li>
</ul><ul>
    <li>2018: 2.684 atendimentos (até outubro)</li>
</ul>
Mais informações (<a href="http://www.mulher.df.gov.br/ceams/">link aqui</a>) Mantidos os Centros Especializados de Atendimento às Mulheres - CEAM, que oferecem atendimento psicológico, jurídico e social às mulheres que procuram o serviço de forma espontânea, independente do registro de ocorrência. O objetivo do trabalho é empoderar as mulheres, para que consigam sair do ciclo de violência em que se encontram, realizando diagnóstico e promovendo o acompanhamento e os encaminhamentos necessários. Atendimentos realizados:
<ul>
    <li>2015: 3.278 atendimentos </li>
</ul><ul>
    <li>2016: 2.690 atendimentos </li>
</ul><ul>
    <li>2017: 3.575 atendimentos</li>
</ul><ul>
    <li>2018: 2.684 atendimentos (até outubro)</li>
</ul>
Mais informações (<a href="http://www.mulher.df.gov.br/ceams/">link aqui</a>) SECRETARIA DE ESTADO DE TRABALHO, DESENVOLVIMENTO SOCIAL, MULHERES, IGUALDADE RACIAL E DIREITOS HUMANOS

FLÁVIA RODRIGUES GUIMARÃES

ouvidoria@sedestmidh.df.gov.br
Mantidos os dois ônibus das unidades móveis que prestam serviço itinerante, de acolhimento psicossocial, orientações e encaminhamentos às mulheres que vivem nas áreas rurais do DF, além de promover rodas de conversa, palestras, oficinas sobre a Lei Maria da Penha e distribuição de materiais informativos. Ações realizadas:
  • 2015 - 22 ações nos seguintes locais: Taguatinga, Samambaia, Plano Piloto, Sobradinho, Recanto das Emas, Planaltina - GO, Planaltina - DF, Ceilândia, Gama, Ocidental e Noroeste
  • 2016 - 39 ações nos seguintes locais: Brazlândia, Plano Piloto, Ceilândia, Paranoá, Taguatinga, São Sebastião, Sobradinho, Planaltina, Lago Norte, Gama e Estrutural
  • 2017 - 36 ações nos seguintes locais: Estrutural, Plano Piloto, Santa Maria, Samambaia, Paranoá, Gama, Brazlândia, Ceilândia, Sobradinho, Planaltina, Taguatinga, São Sebastião e Recanto das Emas
  • Em 2018 (até outubro): 36 ações nos seguintes locais: Plano Piloto, Samambaia, Taguatinga, Sobradinho, Estrutural, Brazlândia, Ceilândia, Guará, Planaltina, Granja do Torto, Santa Maria e outras Regiões Administrativas

Mais informações (link aqui)

Em andamento Mantidos os dois ônibus das unidades móveis que prestam serviço itinerante, de acolhimento psicossocial, orientações e encaminhamentos às mulheres que vivem nas áreas rurais do DF, além de promover rodas de conversa, palestras, oficinas sobre a Lei Maria da Penha e distribuição de materiais informativos. Ações realizadas:
<ul>
    <li>2015 - 22 ações nos seguintes locais: Taguatinga, Samambaia, Plano Piloto, Sobradinho, Recanto das Emas, Planaltina - GO, Planaltina -  DF, Ceilândia, Gama, Ocidental e Noroeste</li>
</ul><ul>
    <li>2016 - 39 ações nos seguintes locais: Brazlândia, Plano Piloto, Ceilândia, Paranoá, Taguatinga, São Sebastião, Sobradinho, Planaltina, Lago Norte, Gama e Estrutural</li>
</ul><ul>
    <li>2017 - 36 ações nos seguintes locais: Estrutural, Plano Piloto, Santa Maria, Samambaia, Paranoá, Gama, Brazlândia, Ceilândia, Sobradinho, Planaltina, Taguatinga, São Sebastião e Recanto das Emas</li>
</ul><ul>
    <li> Em 2018 (até outubro): 36 ações nos seguintes locais: Plano Piloto, Samambaia, Taguatinga, Sobradinho, Estrutural, Brazlândia, Ceilândia, Guará, Planaltina, Granja do Torto, Santa Maria e outras Regiões Administrativas</li></ul>
<p>
Mais informações <a href="http://www.mulher.df.gov.br/disque-156-opcao-6-atendimento-a-mulheres/">(link aqui)</a> SECRETARIA DE ESTADO DE TRABALHO, DESENVOLVIMENTO SOCIAL, MULHERES, IGUALDADE RACIAL E DIREITOS HUMANOS

FLÁVIA RODRIGUES GUIMARÃES

ouvidoria@sedestmidh.df.gov.br
Ampliado o atendimento do programa de Assistência Multidisciplinar às Vítimas de Violência do Pró-Vítima, na especialização psicossocial de assistentes sociais e psicólogos. O total geral de atendimentos foi:
  • 2015: 1.924 pessoas
  • 2016: 2.141 pessoas
  • 2017: 2.061 pessoas
  • 2018: 1.640 pessoas (1º semestre/2018)

Mais informações (link aqui)
Concluído Ampliado o atendimento do programa de Assistência Multidisciplinar às Vítimas de Violência do Pró-Vítima, na especialização psicossocial de assistentes sociais e psicólogos. O total geral de atendimentos foi:
<ul>
    <li>2015: 1.924 pessoas</li>
</ul><ul>
    <li>2016: 2.141 pessoas</li>
</ul><ul>
    <li>2017: 2.061 pessoas</li>
</ul><ul>
    <li>2018: 1.640 pessoas (1º semestre/2018)</li>
</ul></p>
Mais informações (<a href="http://www.sejus.df.gov.br/pro-vitima/">link aqui</a>)
Ampliado o atendimento do programa de Assistência Multidisciplinar às Vítimas de Violência do Pró-Vítima, na especialização psicossocial de assistentes sociais e psicólogos. O total geral de atendimentos foi:
<ul>
    <li>2015: 1.924 pessoas</li>
</ul><ul>
    <li>2016: 2.141 pessoas</li>
</ul><ul>
    <li>2017: 2.061 pessoas</li>
</ul><ul>
    <li>2018: 1.640 pessoas (1º semestre/2018)</li>
</ul></p>
Mais informações (<a href="http://www.sejus.df.gov.br/pro-vitima/">link aqui</a>)
SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTICA E CIDADANIA

ISRAEL CARRARA DE PINNA

ouvidoria@sejus.df.gov.br
Mantido o programa Casa Abrigo (link aqui), que abriga mulheres em situação de violência sob risco iminente de morte, juntamente com seus filhos menores de até 12 anos de idade, que são para lá encaminhadas pela rede de enfrentamento à violência.

O programa oferece acolhimento institucional e atendimento psicossocial, jurídico e pedagógico, além de oficinas e outras atividades planejadas por meio de parcerias.

É um equipamento público de alta complexidade, com funcionamento ininterrupto e mantido sob sigilo de endereço, a fim de garantir a segurança do público acolhido.
Concluído SECRETARIA DE ESTADO DE TRABALHO, DESENVOLVIMENTO SOCIAL, MULHERES, IGUALDADE RACIAL E DIREITOS HUMANOS

FLÁVIA RODRIGUES GUIMARÃES

ouvidoria@sedestmidh.df.gov.br
Firmada parceria com o Banco de Brasília e a Casa da Mulher Brasileira, em 2017, que possibilitou a oferta de dois minicursos de Educação Financeira, atendendo a 66 mulheres. Concluído SECRETARIA DE ESTADO DE TRABALHO, DESENVOLVIMENTO SOCIAL, MULHERES, IGUALDADE RACIAL E DIREITOS HUMANOS

FLÁVIA RODRIGUES GUIMARÃES

ouvidoria@sedestmidh.df.gov.br
Firmada, em 2016, parceria entre a Secretaria de Educação e a Secretaria de Trabalho, Desenvolvimento Social, Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos para, por meio da Casa da Mulher Brasileira, visando direcionar 397 mulheres para cursos do Pronatec Mulheres Mil. Foram ofertados, também, duas turmas de recolocação profissional, beneficiando 49 mulheres atendidas na Casa da Mulher Brasileira.

Em 2017, o atendimento foi ampliado para contemplar mulheres atendidas nos Centros Especializados de Atendimento à Mulher-CEAM e nos equipamentos da Assistência Social, como os Centros de Referência de Assistência Social-CRAs. No ano de 2017 foram capacitadas 945 mulheres e em 2018 outras 215.
Concluído Firmada, em 2016, parceria entre a Secretaria de Educação e a Secretaria de Trabalho, Desenvolvimento Social, Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos para, por meio da Casa da Mulher Brasileira, visando direcionar 397 mulheres para cursos do Pronatec Mulheres Mil. Foram ofertados, também, duas turmas de recolocação profissional, beneficiando 49 mulheres atendidas na Casa da Mulher Brasileira.
</p>
Em 2017, o atendimento foi ampliado para contemplar mulheres atendidas nos Centros Especializados de Atendimento à Mulher-CEAM e nos equipamentos da Assistência Social, como os Centros de Referência de Assistência Social-CRAs. No ano de 2017 foram capacitadas 945 mulheres e em 2018 outras 215. Firmada, em 2016, parceria entre a Secretaria de Educação e a Secretaria de Trabalho, Desenvolvimento Social, Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos para, por meio da Casa da Mulher Brasileira, visando direcionar 397 mulheres para cursos do Pronatec Mulheres Mil. Foram ofertados, também, duas turmas de recolocação profissional, beneficiando 49 mulheres atendidas na Casa da Mulher Brasileira.
</p>
Em 2017, o atendimento foi ampliado para contemplar mulheres atendidas nos Centros Especializados de Atendimento à Mulher-CEAM e nos equipamentos da Assistência Social, como os Centros de Referência de Assistência Social-CRAs. No ano de 2017 foram capacitadas 945 mulheres e em 2018 outras 215. SECRETARIA DE ESTADO DE TRABALHO, DESENVOLVIMENTO SOCIAL, MULHERES, IGUALDADE RACIAL E DIREITOS HUMANOS

FLÁVIA RODRIGUES GUIMARÃES

ouvidoria@sedestmidh.df.gov.br
Firmada parceria com a Associação de Amigos da Embaixada da Austrália, em 2017, que ofertou curso de formação profissional continuada em massoterapia para 21 mulheres atendidas pela Casa da Mulher Brasileira. Concluído SECRETARIA DE ESTADO DE TRABALHO, DESENVOLVIMENTO SOCIAL, MULHERES, IGUALDADE RACIAL E DIREITOS HUMANOS

FLÁVIA RODRIGUES GUIMARÃES

ouvidoria@sedestmidh.df.gov.br
Firmada, em 2017, parceria com o Instituto Íthaka e o Grupo Salto Alto, que ofertaram oficinas de Design Thinking visando a organização profissional e pessoal. Também foram formadas, em parceria com a Secretaria Adjunta do Trabalho, duas turmas de recolocação profissional, contemplando 71 mulheres. Concluído SECRETARIA DE ESTADO DE TRABALHO, DESENVOLVIMENTO SOCIAL, MULHERES, IGUALDADE RACIAL E DIREITOS HUMANOS

FLÁVIA RODRIGUES GUIMARÃES

ouvidoria@sedestmidh.df.gov.br
Criados grupos de trabalho para elaboração de manuais de procedimento e protocolos de atendimento das unidades que atendem vítimas e autores de violência doméstica, os Centros Especializados de Atendimento às Mulheres - CEAM, os Núcleos de Atendimento à Família e ao Autor de Violência Doméstica - NAFAVD, o Núcleo das Unidades Móveis, a Casa da Mulher Brasileira e a Casa Abrigo.

O objetivo é padronizar normas, procedimentos e pressupostos de atendimento para dar mais uniformidade aos equipamentos e oferecer um serviço mais estruturado, eficaz e efetivo, conforme Ordem de Serviço nº 01, de 20/06/2017.

Os Grupos elaboraram as normas de funcionamento e organização dos serviços executados em cada tipo de equipamento, cujas respectivas minutas de Portarias estão em análise, assim como elaboraram os respectivos manuais de procedimentos e fluxogramas.

Concluído SECRETARIA DE ESTADO DE TRABALHO, DESENVOLVIMENTO SOCIAL, MULHERES, IGUALDADE RACIAL E DIREITOS HUMANOS

FLÁVIA RODRIGUES GUIMARÃES

ouvidoria@sedestmidh.df.gov.br
Celebrado Termo de Cooperação Técnica nº 012/2017, com o Senado Federal, que destina 2% das vagas nos contratos de prestação de serviços continuados e terceirizados do Senado para mulheres em situação de vulnerabilidade econômica em decorrência da violência doméstica, atendidas nos serviços públicos especializados da Secretaria de Trabalho, Desenvolvimento Social, Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos - Sedestmidh. A vigência deste Termo é de 60 meses a contar do dia 11/04/2017. Em andamento SECRETARIA DE ESTADO DE TRABALHO, DESENVOLVIMENTO SOCIAL, MULHERES, IGUALDADE RACIAL E DIREITOS HUMANOS

FLÁVIA RODRIGUES GUIMARÃES

ouvidoria@sedestmidh.df.gov.br
Celebrado Acordo de Cooperação Técnica nº 001/2017, com a Câmara Legislativa do Distrito Federal - CLDF, que destina 2% das vagas nos contratos de prestação de serviços continuados e terceirizados da CLDF para mulheres em situação de vulnerabilidade econômica em decorrência da violência doméstica, atendidas nos serviços públicos especializados da Sedestmidh. A vigência deste Termo é de 60 meses a contar do dia 31/08/2017. Em andamento SECRETARIA DE ESTADO DE TRABALHO, DESENVOLVIMENTO SOCIAL, MULHERES, IGUALDADE RACIAL E DIREITOS HUMANOS

FLÁVIA RODRIGUES GUIMARÃES

ouvidoria@sedestmidh.df.gov.br
 

 
 
 
SOBRE BRASÍLIA TRANSPARÊNCIA TURISMO
SOBRE O GOVERNO OUVIDORIA CARTA DE SERVIÇOS
CIDADÃO ACESSO À INFORMAÇÃO DÚVIDAS FREQUENTES
NEGÓCIOS COMUNICAR ERROS FALE COM O GOVERNO
SERVIDOR ACESSIBILIDADE  
GOVERNO DE BRASÍLIA

Todos os direitos Reservados ©
Palácio do Buriti, Praça do Buriti Brasília - DF
CEP 70075-900.
     
 
POTAL DE BALANÇO DAS PRIORIDADES DO GOVERNO DE BRASÍLIA
VERSÃO 1.0